quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

PUXA

Espreitei pela janela do medo e abalei o querer

Fiquei sentada no chão frio da tua ausência

Fiquei com a tristeza agarrada à pele

Tentei pensar

Tentei não chorar

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

FUNDO

Vou por esta estrada e o atalho sou eu

A roda que me atropela de carícias

Lembra-me que quero estar viva


Levanto-me em paralelos

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

FUGI-ME

Distraí-me a olhar para ti e deixei-me fugir. Quando me apercebi, já era
tarde demais. Já ia longe. Ainda me chamei, mas já nem ouvi. E tu a olhares
para mim sem compreenderes o que se estava a passar. Tentei explicar-te, mas
não tinha voz; a minha voz tinha ido comigo para longe. Tentei explicar-te
com os olhos, mas não entendeste a lágrima. Abracei-me a ti e nunca mais te
larguei nem ao medo de estar assim só sem mim.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

COMBOIO

A vida é um comboio em andamento e a carruagem de trás é o passado e a da frente o futuro. Os passageiros podem passear por todas as carruagens, mas o seu lugar é o seu lugar.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

TRIÂNGULO

Um triângulo odioso. Todas as partes se esticam e empertigam nos respectivos cantos. E tentam picar-se umas às outras com as respectivas arestas. É um equilátero, mas os três acham que é um isósceles. Cada um acha que o seu lado é o maior. Visto de um certo ângulo, todos têm a sua razão. A base vai variando conforme a perspectiva. São todos rectilíneos e inflexíveis, teimosos e, estranhamente, fogem para o obtuso.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

NOITES

Sinto o perfume do teu corpo e lambo a saudade da noite que sonhas. Abraço-te levemente e aconhego o teu respirar sereno. Penso que nada mais conta para além de te amar. Quero ver o teu acordar e beijar a tua manhã e sussussurar-te que te desejo mais do que qualquer vida.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

TROP

Quero o teu sabor de mim que guardas nos lábios.
Quero rever-me no espelho dos teus olhos arredondados.
Salta para a parte quente do desejo.
Envolve-me em abraços de saudade quase desesperada.
Lambe o calor da minha pele e despe-me do pecado de te amar demasiado.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

SOSSEGO

Aqui posso escrever sossegada. Sem que ninguém espreite. Sou um tanto esquizofrénica. Nunca ninguém mo disse. Mas eu sei. Sou bastante hipocondríaca e, como tenho a mania da perseguição e porque sou uma grande megalómana, não me contento com menos: esquizofrenia. Nem me falem num mero distúrbio dos afectos, que fico de mau humor. E, como tenho a mania que sou agressiva, posso mesmo assumir um comportamento algo violento. Estou só a avisar, que já escrevi e li muito sobre a mente, no caso a minha, e estas palavras constituem, para lá de um consciente diagnóstico, um quase omnisciente prognóstico.