quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

FUNDO

Vou por esta estrada e o atalho sou eu

A roda que me atropela de carícias

Lembra-me que quero estar viva


Levanto-me em paralelos

Sem comentários:

Enviar um comentário