sexta-feira, 30 de março de 2012

SOU SÓ

Sou um peixe sem cardume

Um feixe de luz perdido no ar

Sou uma serpente sem princípio nem fim

Uma pétala não

Uma gota do suor de um deus qualquer

Sou um cão velho sem família

Sou a pedra descalcetada

O perdão tarda

Não quero ser quem sou

Não quero ter sido o que fui

Nada pode resolver esta amargura

Nem a vida

Nem a morte

Um filho de abutre comeu o corpo do meu desejo

Os restos mortais da minha vontade

Vejo-o do cimo da minha inércia

O caminho chama-me

E eu fico a lançar pedras no charco da minha indiferença

Não quero saber quem sou

Nem que vida me resta

Não quero viver esta paródia infeliz

Não quero saber como acaba

Nem se a dor sobrevive

quarta-feira, 28 de março de 2012

SEMENTE

ah uma semente na rocha fria da minha imaginação
que futuro poderá ter este desejo afogado em cinzas?
penso que penso na vida que me leva descontente
e sorrio extenuada de chorar por dentro do desalento
sorrio e semeio esse sorriso na rocha fria da minha alma
aqueço uma mão na outra e sento-me no chão da esperança
há quem diga que mais vale esperar do que deixar a vontade cair
há quem diga a cantar que mais vale acreditar

segunda-feira, 26 de março de 2012

CANSA-ME TANTA VIDA

Traduzir palavras para sorrisos

Ser livre apesar de tantos dentes que me agarram

É dor ou é sombra de verão?

E se eu ficasse estendida no tempo a alourar palavras?

Inventei-me uma tristeza para me divertir ou sou humana?

Cresço em vontade ou não posso ver sem querer?

Que mundo emolduro?

segunda-feira, 19 de março de 2012

VALES

Agarra a ponta da corda com a ponta dos lábios. Empresta ternura à tua luta contra essa força que teima em fazer-te beijar o chão. Baixa-te, finge que desistes, dança com o teu medo. Distrai essa angústia que te aperta o peito. Tu vales mais do que essa lágrima que te empurra de encontro ao vazio. És mais que essa tristeza que tenta preencher o teu ser.

terça-feira, 13 de março de 2012

CARECA

coço a careca como se pensasse. quem me visse acreditaria que penso. e no entanto só sinto que penso. sinto os pensamentos a correr de um lado para o outro, mas não os entendo. fazem-me cócegas na imaginação, mas não os reconheço nem distingo.

quarta-feira, 7 de março de 2012

CAMINHO

A estrada abria-se em muitas de repente. Parei assustada com tantas possibilidades. Será que posso ser feliz se souber escolher o caminho? hum... acho que posso ser feliz vá por que caminho for. A felicidade não está lá ao fundo à minha espera. Está no chão húmido que percorro, no canto do pássaro, na mão amiga que me estendes, na minha vontade de abraçar o mundo e fazê-lo sentir-se bem, no sol à minha frente, na minha vontade de viver caminhando sempre com pé firme, seja em que direcção for...

segunda-feira, 5 de março de 2012

DÓI?

Feri-me na asa no exacto momento em que percebi que não tinhas asas. Foi menos mau assim: tive um não ferimento. Foi pena não ter percebido que não tinhas asas antes de começar a voar. Mas como não me magoei, à excepção da asa inexistente, tudo bem.