sexta-feira, 13 de abril de 2012

QUE FIM?

O destino mascarado de desejo
Que fim?
O meu corpo flutua por cima da minha imaginação
Que loucura?
Cansaço
Os meus pés pesam toneladas
O meu espírito pisado pela minha consciência
Mal consigo falar
Atiro-me para a frente
Atropela-me a memória de um dia triste
Todos se riem de mim ou não sou ninguém?
Que razão têm as minhas lágrimas?

2 comentários:

  1. Puxa vida, que o destino mascarado de desejo é morte.
    Tu não crês em destinos e precisas de continuar a acreditar, acreditar, acreditar!(aceitam-se algumas intermitências)

    ResponderEliminar
  2. Poema introspectivo e um pouco desalentado!
    Uma bela construção, Ana!
    Beijinhos e votos de paz!
    Fátima.

    ResponderEliminar